87% das pessoas que se submeteram a algum tipo de cirurgia plástica sentiram-se mais felizes

 

De acordo com um estudo realizado pela Universidade da Pensilvânia, EUA, 87% das pessoas que realizaram algum tipo procedimento estético, seja ele invasivo ou não, sentiram-se mais felizes com a imagem corporal como um todo e ficaram satisfeitas com a parte do corpo que passou pelo procedimento. Segundo o levantamento, realizado apenas com mulheres, elas se sentiram mais confiantes e felizes.

O Brasil é o segundo país no mundo onde é realizado o maior número de cirurgias plásticas, com 1.592.106 procedimentos por ano, ficando atrás somente dos Estados Unidos, com 1.620.855.

A cirurgia plástica ocupa um papel essencial no país, além de sua função reconstrutora auxiliando pessoas que sofreram algum tipo de acidente ou possuem algum tipo de má-formação, esse tipo de procedimento exerce um papel social fundamental. “A plástica ajuda as pessoas a se sentirem bem consigo mesma, aumentando o nível de autoestima e confiança em todos os âmbitos, uma pessoa que se sente a vontade com seu corpo melhora o desempenho em todas atividades do seu dia a dia”, explica o secretário da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Dr. Denis Calazans.

No entanto, o primeiro passo para uma cirurgia plástica de sucesso é a escolha do médico especialista. Cirurgia plástica é coisa séria, pois envolve anestesia e muitas vezes um pós-operatório doloroso e até mesmo com cicatrizes. Um cirurgião competente irá amenizar ao máximo todos os efeitos, trazendo um resultado final satisfatório. “Existem hoje muitos médicos não especializados realizando cirurgias plásticas, os pacientes precisam tomar muito cuidado na hora de escolher, pois uma cirurgia errada pode acarretar danos irreversíveis”, afirma Dr. Aboubid Jr.

Os médicos que compõem a SBCP têm em seu currículo uma formação de 11 anos, que somam a Faculdade de medicina (6 anos), residência em Cirurgia Geral (2 anos), e residência em cirurgia plástica (3 anos). Além disso, para obter o título de especialista é preciso aprovação em uma prova oficial aplicada pela associação da especialidade, garantindo a competência do profissional.

Alerta: Somente no Conselho Regional de Medicina de São Paulo (CRM-SP) 97% dos processos decorrentes de cirurgias plásticas foram realizados por médicos que não possuem o título de especialistas nesse tipo de procedimento.

FONTE: SBCP