Assustada com a quantidade de fios que aparecem na escova, no chão do banheiro, no travesseiro e no banco do carro? Antes de se desesperar, conheça os mitos que cercam o assunto, as causas do problema, como consertar o estrago e o que você pode (e deve!) fazer para evitar a queda de cabelo.

Mulher escovando cabelo

Como saber quando a queda está exagerada?

O normal é caírem até 100 fios de cabelo por dia, avisa a dermatologista carioca Karla Assed, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da American Academy of Dermatology. Não é preciso contar, mas observe se eles estão aparecendo em todo lugar da casa, no travesseiro, no carro e, principalmente, se começam a surgir leves falhas no couro cabeludo (a chamada rarefação capilar progressiva). Nesse caso, procure um dermatologista para avaliar o quadro e orientar o melhor tratamento.

Quais são as causas da queda de cabelo?

Várias. Predisposição genética, oleosidade excessiva do couro cabeludo, doenças que afetam a área, como dermatite seborréica (que pode se manifestar na forma de caspa) e psoríase, ou o corpo todo, como anemia, distúrbios da tireóide e câncer. Alterações hormonais também podem prejudicar o cabelo, assim como perda de peso radical e stress. “A tensão aumenta a oleosidade do couro cabeludo”, diz a dermatologista. O clima também conta: No inverno, por causa da água quente do banho e da desidratação natural, a perda de fios pode piorar.

A alimentação interfere?

Sim e já falamos aqui sobre alimentos que ajudam a fortalecer os cabelos. A anemia por falta de ferro é uma das causas mais importantes de queda de cabelo. Além do sangramento menstrual exagerado, outra explicação comum para ela é a má ingestão de alimentos ricos no mineral: fígado, carne vermelha, frango, peixe, ostra e frutos do mar. Leguminosas (feijão, lentilha) e vegetais de folhas verde-escuras também fornecem ferro, mas a absorção é difícil. Quem vive de dieta é mais vulnerável, pois, às vezes, falta critério na hora de excluir os alimentos do cardápio.

Cabelo molhado pode interferir na queda de cabelo

Pentear o cabelo molhado acelera a queda?

Sim, ele fica frágil quando úmido e, ao desembaraçá-lo, a tendência é puxar os fios e quebrá-los. O trauma pode afetar a raiz, ocasionando a queda, informa a dermatologista. Também corre esse risco quem vive com o cabelo preso, sobretudo se essa tração for muito forte. Para evitar problemas, não penteie o cabelo no chuveiro. Seque-o com uma toalha e, só depois então desembarace com um pente de dentes largos, começando o movimento pelas pontas. Prenda o cabelo apenas quando estiver seco e, se possível, não todo dia, nem por muito tempo.

Dormir com o cabelo molhado faz mal?

É melhor rever essa prática. Mais fragilizados, os fios úmidos quebram facilmente com o atrito do travesseiro. Já o couro cabeludo fica abafado, demorando mais para secar totalmente. Isso favorece a proliferação de fungos e o aparecimento de caspa e outras doenças que levam à queda.

Lavar o cabelo todos os dias ajuda ou atrapalha?

Não causa queda. A menos que você seja adepta de banhos fervendo. Água muito quente estimula a oleosidade do couro cabeludo. Portanto, mesmo no inverno, prefira água morna.

Mulher lavando o cabelo

Xampus antiqueda à venda nas farmácias resolvem?

Um teste feito no início do ano pelo laboratório Kosmoscience – consultoria e assessoria técnica em cosméticos – mostrou que as oito marcas avaliadas evitam no máximo a queda de 86 fios por mês e, geralmente, provocadas por tração (agressão externa). Assim, se você estiver com uma queda de cabelo grave, é melhor procurar um dermatologista para identificar e tratar a adequadamente a causa.

Como é o tratamento contra a queda de cabelo?

Em geral, os dermatologistas indicam xampus específicos e loções de aplicação no couro cabeludo. “Se antes ressecavam os fios, agora esses xampus vêm associados a substâncias hidratantes”, esclarece a dermatologista. Também podem ser recomendados suplementos por via oral à base de ferro, zinco, magnésio, ômega 3, groselha negra e licopeno, que estimulam o crescimento dos fios.

E se as falhas dos fios já forem evidentes?

Há opções de tratamento no consultório. Na terapia capilar associada ao laser (TCL), o poder de ação de xampus medicinais e fórmulas específicas é potencializado pela aplicação desses raios luminosos. Se os fios estão muito fragilizados, quebradiços e ressecados, recorre-se à ozonioterapia, técnica à base de água mineral em que medicamentos são transformados em nanopartículas para facilitar a absorção. A aplicação posterior de laser intensifica seu efeito. Segundo a dermatologista, essa tecnologia de ponta recupera rapidamente a saúde do cabelo.

Qual é o principal cuidado para prevenir novas quedas?

Karla Assed é taxativa: “Procurar tratamento assim que perceber a perda excessiva de fios. E não usar qualquer produto por conta própria”.

Mulher cortando as pontas do cabelo

Aparar as pontas com frequência fortalece os fios?

Apesar de bastante difundida, essa crença não tem nenhum fundamento. O corte elimina pontas duplas e áreas danificadas ou ressacadas, garantindo um toque mais macio e um aspecto de cabelo saudável. Mas não influencia no ritmo de crescimento do fio, que gira em torno de um centímetro por mês.

Cortar na lua crescente ajuda o cabelo a crescer?

“Também não existem estudos científicos comprovando essa teoria”, comenta a dermatologista. “Mas muita gente diz que dá certo”. Então, se você quiser experimentar, vá em frente: mal não faz.

Por Cristina Nabuco, Revista Boa Forma.