Pele sem manchas melasma TRATAMENTO

Quem nunca sonhou em ter uma pele lisinha, sem manchas, parecida com a das famosas quando estão na tv?

O vilão é poderoso, mas não faltam armas para combatê-lo. Estamos falando do melasma, mancha no rosto que aparece mesmo em mulheres jovens. Você sofre com esse problema? Então, conheça os melhores tratamentos.

 

 

Entendendo o melasma

 

melasma 2O Melasma é uma hipermelanose adquirida que atinge mais as mulheres e se caracteriza pelo aparecimento de manchas castanho escuras localizadas principalmente no rosto.

Alguns fatores como pré disposição genética, fatores vasculares e hormonais como gestação, uso de anticoncepcionais e terapia de reposição hormonal tem influência no aparecimento do melasma, mas é a exposição solar o fator mais determinante para seu desencadeamento e perpetuação. As células da pele acumulam os efeitos da radiação no decorrer da vida, e de repente, depois daquele verão bem aproveitado sob o sol ou depois de uma simples exposição à luz, incluindo a fluorescente de computadores e escritórios, a mancha pode surgir.

Os raios UV levam a maior ativação dos melanócitos, células responsáveis pela produção da melanina, pigmento que confere a coloração da pele. A medida que o melasma permanece sem tratamento, o pigmento pode aparecer nas camadas mais profundas da pele, o que dificulta seu clareamento.

 

Tratamentos para uma pele uniforme

melasma 3

 

Para combater essa afecção tão resistente é necessário fazer uso diário e regular dos filtros solares, mesmo em dias de chuva.

 

 

 

 

Para uso em casa

 

acne-baba-caracolAliado aos protetores solares, devem ser usados cremes que contenham ácidos retinóico e seus derivados, que removem as células superficiais da pele e o pigmento que nelas se encontram;  diminuem a transferência do pigmento da célula produtora para as células vizinhas, bem como favorecem a penetração de outros ativos dos produtos;  clareadores  como hidroquinona, arbutin, ácido azeláico entre outros, que diminuem a produção do pigmento através da inibição de uma enzima. Existe ainda os antioxidantes como o ácido tranexâmico, ácido ferúlico e as vitaminas C e E, que inibem a produção dos radicais livres, envolvidos na pigmentação e protegem a pele da ação danosa dos raios solares.

Para aumentar a resistência da pele à radiação podemos lançar mão de cápsulas ricas em antioxidantes como revesterol, Pollypodium leucotomos, licopeno, picnogenol e vitaminas C e E.

 

Potencializando o tratamento no consultório

No entanto, o melasma pode ser bem resistente e pode não melhorar apenas com o tratamento feito em casa. No consultório tratamentos como a luz pulsada, os peelings químicos e microdermoabrasão são excelentes opções, que além de proporcionar o clareamento da pele auxiliam na prevenção e tratamento do envelhecimento cutâneo, por atingirem maior profundidade na pele.

 

luz-pulsada

A Luz Intensa Pulsada, é um dos procedimentos mais realizados para o rejuvenescimento global da pele, melhorando as rugas finas, manchas, textura, vasos e poros abertos. As sessões de luz intensa pulsada podem ser realizadas mensalmente na face, pescoço, colo e mãos.

 

A microdermoabrasão ou peeling de diamante promove a remoção mecânica da camada superior da pele o que melhora a circulação sangüínea superficial, estimula a formação de colágeno, elastina e ácido hialurônico, levando a melhora de cicatrizes de acne, de rugas finas e auxilia na remoção de manchas de pigmentação. Este método pode ser associado ao peeling químico.

 

A melhora já é percebida na primeira sessão!

A melhora já é percebida na primeira sessão!

 

 

peelingO peeling químico, feito com ácidos, promovem a eliminação das camadas danificadas da epiderme, estimulam a renovação das células da pele, melhoram a irrigação sangüínea, a textura da pele, clareiam manchas e atenuam rugas finas, além de estimular a produção de colágeno, o que melhora a firmeza da pele. Bons resultados podem ser obtidos com vários peelings seriados, com pequenos intervalos entre eles, proporcionando uma melhora progressiva.

 

 

 

 

Texto:  Colaboração da Dra. Marcella Gramigna. Especialista em Dermatologia formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.